sábado, 15 de julho de 2017

3º Concurso Literário do CLP/Camões em Lublin : “A máquina do tempo”






REGULAMENTO
Introdução
 A ideia de criar este concurso literário surgiu como forma de incentivar a criatividade literária entre os falantes não nativos de português, bem como o gosto pela escrita em português.
Artigo 1.º
 O Concurso Literário é aberto a falantes não nativos, excluindo assim cidadãos de nacionalidade portuguesa, e ainda cidadãos naturais de países de língua oficial portuguesa. O concurso é, entenda-se, aberto não só a residentes na Polónia. Aos membros do júri é vedada a participação bem como aos seus familiares diretos. 
Artigo 2.º
O Concurso Literário destina-se a premiar trabalhos inéditos na modalidade de conto. 
Artigo 3.º
Cada concorrente poderá apresentar apenas um trabalho.
Artigo 4.º
Os trabalhos a apresentar serão subordinados às seguintes normas:
a) O texto obrigatoriamente redigido em língua portuguesa, original e inédito, deverá ter um mínimo de duas páginas e um máximo de seis páginas, com espaçamento duplo entre as linhas e tipo de letra Times New Roman, tamanho 12, formato pdf, devendo ser entregue por email: clp.lublin.polonia@gmail.com
b) Juntamente com o texto, deverão ser enviados os dados de identificação (nome, nacionalidade) e de residência do concorrente, o título do trabalho apresentado e se desejar, o pseudónimo escolhido;
c) A data limite para o envio dos trabalhos é 15 de novembro de 2017.
d) O tema do concurso é: a máquina do tempo. O autor terá que entrar nesta máquina, escolher uma data, viajar no tempo (para o futuro ou para o passado) e partilhar o que viu. 

Artigo 5.º
Ao trabalho que, pela sua qualidade literária, mais se distinga será atribuído um prémio e publicado no próximo número da revista Água Vai.
a) O domínio da língua portuguesa é também tido em conta pelo júri 
Artigo 6.º


Caberão ao CLP/C todos os direitos sobre a primeira edição dos trabalhos premiados, comprometendo-se este a oferecer aos respetivos autores 10 exemplares da revista Água Vai, considerando-se os direitos de autor regularizados desta forma.
Artigo 7.º
Poderão, ainda, ser editados, mediante condições a acordar, caso haja interesse por parte do  CLP/C e dos respetivos autores, os trabalhos agraciados com menções honrosas.
Artigo 8.º
O júri será divulgado em breve.
Artigo 9.º
A decisão do júri será tomada no prazo de 20 dias úteis, contados a partir da data fixada para a entrega dos trabalhos.
Artigo 10.º
O júri poderá não atribuir qualquer prémio, caso considere que os trabalhos apresentados não reúnem condições de qualidade que o justifiquem.
Artigo 11.º
O júri, para além dos prémios atribuídos aos trabalhos que considerar de maior qualidade, poderá atribuir menções honrosas que, no entanto, não vincularão o CLP à respetiva publicação. O júri poderá, ainda, se entender que o respetivo valor literário o justifica atribuir prémios ex aequo.
Artigo 12.º
Os casos omissos ou as divergências na interpretação do presente regulamento serão solucionados pelo júri.
Artigo 13.º
Das decisões do júri não haverá recurso.
Artigo 14º
Disposições finais:

a) Os dados pessoais facultados serão utilizados exclusivamente pelo CLP/C para os fins do concurso, entrega de prémios e divulgação de informações relativas a futuros eventos semelhantes.

b) A apresentação dos trabalhos pressupõe a plena aceitação do presente regulamento.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Zdzisław Beksiński


Zdzisław Beksiński é um dos mais famosos e mais originais artistas polacos. Foi engenheiro, pintor, escultor, fotógrafo e desenhador. Ainda hoje as suas obras são reconhecidas e muitas pessoas consideram-nas especiais. O artista nasceu em Sanok (uma pequena cidade no sudeste da Polónia) em 1929. As criações artísticas de Beksiński sempre despertaram controvérsia: da admiração à indignação. Pintou oceanos sangrentos, paisagens escuras, cidades ardentes, figuras enredadas em teias de aranha e esqueletos nos cemitérios. O meio artístico não gostava da sua arte, acreditava-se que as imagens eram inúteis, mas o público gostou dele.
Beksiński pintava desde a infância, como ele mesmo disse nas suas entrevistas. Estudou arquitetura, porque os seus pais pensaram que não seria capaz de ganhar dinheiro com a pintura. Depois de se formar, trabalhou em fotografia e ganhou prémios numa série de concursos internacionais. Hoje Beksiński raramente é associado com as fotografias a preto-e-branco, mas foi delas que começou a sua carreira. As suas fotografias representam figuras humanas, muitas vezes em poses incomuns - como se os modelos estivessem assustados ou perturbados.        

Uma sua outra forma de expressão foi a escultura. Era uma escultura abstrata, feita principalmente de metal. No entanto, Beksinski não lhe dedicou muito tempo da sua vida, tendo-se virado em seguida para o desenho. Estes começaram por ser abstratos mas pouco depois começou a introduzir um certo erotismo, sadismo e masoquismo.
Por volta do ano 1964, Beksinski começou a pintar. Dedicou-se quase por completo à pintura na fronteira da fantasia escura e do surrealismo. Descrever as obras do Beksinski não é fácil, porque não se encaixam em nenhum dos estilos de arte conhecidos na história, portanto, é impossível catalogar o seu trabalho dentro de qualquer tendência. Os quadros de Beksiński quase sempre são dominados pela tristeza. O pintor nunca deu títulos às suas obras, porque poderiam manipular a perceção do destinatário.

Na criação artística do Beksinski podem-se distinguir vários períodos. As primeiras obras do artista caracterizam-se por uma influência da religião do oriente. Vários símbolos preenchem o destinatário duma sensação de medo ou até mesmo pensamentos catastróficos. Apesar da crítica, o artista continuou a criar. Ao seu primeiro período artístico, Beksiński chamava "período do barroco". O segundo é mais abstrato, o artista o chamava de "gótico". A partir da década de 90, Beksiński passou a criar menos obras com conteúdo misterioso e atmosfera de medo. Depois de 2000, começou a criar composições num computador e utilizar a fotocopiadora, mas não parou de pintar e desenhar.
A sua vida foi parecida de alguma forma com os seus trabalhos. Alguns dizem que o destino inevitável decidiu a vida do artista. A sua esposa morreu em 1998 após uma doença grave, e um ano depois, na véspera de Natal, o seu filho Tomasz suicidou-se. Beksiński encontrou pessoalmente o corpo do seu filho. Depois deste evento, o artista nunca foi capaz de recuperar. No mesmo modo pessimista terminou a sua vida. Zdzisław Beksiński foi assassinado em 2005.

Paulina Rogoza
3º ano de Filologia Ibérica

Uma pequena entrevista com Zdzisław Beksiński do ano 1989 legendada em inglês : https://www.youtube.com/watch?v=IkzcGK4mDOc&t=451s