terça-feira, 19 de abril de 2016

O que me irrita!!!!!



A falta de tempo. Antes achava que podia ter tempo para tudo. Agora sei que não é possível.
A perda de tempo. Por exemplo as reuniões no trabalho. Não servem para nada, duram muitas horas durante os quais poderia fazer muitas coisas produtivas e mais agradáveis.
Quando tenho de fazer alguma coisa que não sei fazer e, na minha opinião não serve para nada, por exemplo: os relatórios para o trabalho.
Quando tenho de fazer algo que sei fazer mais não tenho tempo suficiente para fazê-lo bem.
A hipocrisia: observar que alguém diz uma coisa e ao mesmo tempo faz outra.
A intolerância: criticar, as vezes quase com ódio imenso, o modo de ser, de pensar, de parecer, de viver de outra gente.
Ouvir falar da política de maneira demasiado categórica. Sem deixar que outra pessoa tenha a sua própria opinião.
Pouca quantidade de autoestradas na Polónia. Quando quero viajar de carro, muitas vezes tenho de passar pelas vilas pequenas, todo o tempo a travar e acelerar.
Engarrafamentos nas ruas de Lublin. Estou sentada no carro quase sem avançar e outra vez perco tempo.
A impontualidade: a minha e das outras pessoas também.
Aleksandra Moroziewicz
1º ano de mestrado em espanhol

Quando as pessoas que não falam comigo diariamente escrevem-me dizendo “Olá, como estás?” e quando eu respondo algo, eles já não prestam atenção porque na realidade escreveram-me só para pedir algum favor... Não seria mais fácil dizer diretamente de que se trata em vez de fingir que lhes importa como estou???
Em geral, a falta de educação. Não posso acreditar que as palavras como “bom-dia”, “adeus”, “obrigado/a” ou, a mais importante, “desculpa/e” sejam tão difíceis de articular...
As pessoas que se exteriorizam em redes sociais. Bom, não está mal compartilhar algumas fotos de férias com paisagens maravilhosas, mas manifestar a irritação depois de discutir com o teu namorado/marido/mulher/amiga e até chegar a trocar comentários debaixo deste post? Por favor!
Hipocrisia, simplesmente. Dizer coisas para depois contradizê-las com o comportamento? Tem pouca lógica.
Racismo. As diferenças da cor da pele ou em geral do aspeto físico devem-se à genética e não servem para segregar a gente... Nunca serei capaz de perceber como a cor da pele, do cabelo, dos olhos ou a forma da cara ou também dos olhos pode delimitar o valor duma pessoa.
As pessoas que deitam fora as priscas (e também outro tipo de lixo) na rua, pavimentos, paragens de autocarro, relva... Como se não houvessem caixotes do lixo no mundo!
As pessoas que não percebem que os gostos não se discutem. Cada indivíduo tem direito a não gostar duma coisa, seja verdura, prato, álcool, música, ator, filme, etc.
As pessoas que durante grandes promoções nas lojas comportam-se como se estivessem a lutar pela comida numa ilha deserta.
As mudanças de tempo no princípio da primavera. Quando sais de casa de manhã está demasiado frio para não levar casaco, quando voltas, já está calor e também levas casaco, mas desta vez, na mão...
A falta de tempo!!! É um paradoxo que se produz quando finalmente tenho um pouco de tempo livre: ficar a pensar se não me esqueci de nada e se realmente não tenho nada que fazer...
Anna Drabik
1º ano de mestrado em espanhol

Irrito-me quando:
As pessoas idosas pedem que lhes ceda o lugar no autocarro, apesar de haverem assentos livres.
As mulheres que querem que lhas deixe passar na fila, porque têm filhos que gritam. (Eu também tenho pressa).
Alguém não deixa passar as pessoas que saem duma loja ou dum autocarro, e entra primeiro.
Alguém chama-me Emila em vez de Emilia.
Uma pessoa que vai em frente de mim pela calçada e para inesperadamente. Entro numa loja de roupa e imediatamente me perguntam se podem ajudar.
A pessoa com a qual combino não me informa que vai chegar atrasada.
Tenho de fazer muitas coisas para as aulas e não tenho tempo para mim mesma e para o meu namorado.
Alguém não tem razão mas continua a discutir,
O meu vizinho que toca piano, começa a tocá-lo quando eu estudo para um exame.
Emilia Wróbel
1º ano de mestrado em espanhol

Os maus cheiros: não sem razão ponho isto no primeiro lugar. Acho que todas as pessoas na Polónia têm acesso à água e podem lavar-se e lavar a sua roupa. Não somos uns demónios e a lavagem não vai matar-nos, como se fosse água bendita...
A hipocrisia: especialmente quando podes chamar de hipócrita o teu próprio amigo. Quem não conhece as pessoas que se queixam o tempo todo da falta de dinheiro e, depois compram as coisas caras (e, o que ainda é mais irritante, desnecessárias)? Se quiseres mentir, melhor não digas nada!
A injustiça: tanto ao micro nível, como global. Irrita-me mesmo quando as pessoas avaliam as outras sem sequer as conhecer. Mas, a injustiça relacionada com as diferenças entre as raças, as religiões, etc., pode levar o mundo até a uma guerra. Então acho que deveríamos erradicá-la ao já mencionado micro nível.
A falta de dinheiro: diz-se que "o dinheiro não traz a felicidade", mas sem o ter, é impossível fazer muitas coisas. O mundo está maluco por ganhar mais e mais e, nesta corrida, muitas vezes se esquece do verdadeiro sentido da vida.
A desestimação da pátria: não quero dizer que sou uma nacionalista radical, mas acho que não é muito lógico fazer uma má publicidade do nosso próprio país. Afinal, muitas pessoas sacrificaram as suas vidas para que o tenhamos agora.
O desprezo pelas pessoas mais velhas: todos se queixam das “avós” que reclamam os sítios nos autocarros. Todos se riem dos “avôs” que fazem fila nos consultórios. Por favor... quando alguém é velho, isto significa que já não tem os mesmos direitos que nós?
A estupidez: nem vais falar com alguém que é parvo, nem vais escutá-lo. E não me refiro às pessoas não "eruditas", senão aos ignorantes cuja atividade principal é falar sobre as coisas que não fizeram ou que não vão fazer, porque "não têm vontade de fazê-las".
O aborrecimento: quem gosta de se aborrecer? Se gostas, isto significa que não te aborreces, senão descansas, pronto. O mais irritante é o facto de que, às vezes, não há nenhuma resolução para esse estado: nada nos parece interessante.
As coisas inúteis que tenho de estudar: aqui não é preciso explicar muito. Todos os estudantes têm as cadeiras preferidas e, as que considera uma simples perda de tempo.
Os homens com a síndrome de Peter Pan: os meus Deus! Cada coisa na nossa vida tem o seu princípio e o seu fim. A infância TAMBÉM!. Infelizmente, muitos homens esqueçam-se de madurar e ficam na etapa escolar (ou pré-escolar, nos casos mais graves) para toda a vida.
Małgorzata Tracz
1º ano de mestrado em espanhol

Irritam-me as pessoas que têm muito a dizer sobre os temas sobre os quais não têm nenhuma compreensão.
Enraivecem-me as pessoas que falam em voz alta pelo seu telefone nos lugares como o autocarro ou na sala de espera no consultório do dentista e desta maneira todos no seu entorno sabem que problemas têm.
Não gosto da gente que não sabe como se comportar em conformidade com o tempo e o lugar.
Não posso entender as pessoas que mentem o tempo todo só para mentir.
Irrita-me a gente que pensa que é o umbigo do mundo e em consequência pensam que são melhores do que outros.
Não gosto das pessoas que chegam sempre atrasadas e não informam ou informam no último momento que vão atrasar-se.
Não respeito quem deprecia outros por causa da cor da pele ou da religião.
O meu respeito também não merecem as pessoas que acreditam que o valor do ser humano determinado pelo conteúdo da carteira.
As pessoas que maltratam os animais devem ser condenados à prisão.
Não posso suportar as pessoas que durante a sessão no cinema sussurram com as embalagens de comida e incomodam os outros.
Liliana Wajrak
1º ano de mestrado em espanhol








Sem comentários:

Enviar um comentário