quinta-feira, 3 de outubro de 2013

A melhor viagem da minha vida

Tudo começou durante as longas horas de estudo para o exame de Civilização Portuguesa.O meu sonho naquele momento não era só aprovar o exame,mas ver ao vivo todos os monumentos, provar a comida e conhecer os costumes que com esforço marrava. Como eu e o meu namorado gostamos de viajar, decidimos visitar as nossas amigas que fazem Erasmus em Faro, comprámos os bilhetes e a nossa viagem começou. Bem-vindos a Portugal! Faro - a nossa primeira paragem. Uma cidade pequena mas incrivelmente pitoresca e bonita. É óbvio que no principio fomos à praia de Faro. Sol, areia branca, sopros de vento acariciantes – um verdadeiro paraíso. Depois visitamos o centro histórico da cidade : a Sé Catedral de Faro, o Museu Municipal de Faro, o Palácio Episcopal e a Igreja de São Francisco (com abóbada coberta dos azulejos). No fim do nosso passeio vimos o Arco da Vila,uma das portas medievais da cidade, mas infelizmente sem ninhos de cegonhas(que constituem o ex-libris da cidade).
Finalmente, visitamos o primeiro centro comercial ao ar livre no Algarve – Forum Algarve. Vale a pena sublinhar que isto é uma visita obrigatória , não só para as mulheres, porque é um empreendimento comercial muito original- as galerias comerciais fazem lembrar claustros de um mosteiro, sendo todo o complexo rodeado por um muro concebido à imagem de uma muralha de um castelo medieval. Faro é o lugar onde pela primeira vez provei os VERDADEIROS pastéis de nata, uma das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal. Uma exíma mistura de massa folhada com recheio feito de nata. Na verdade, isto foi um erro imperdoável. Como gosto muito de comer doces, os pastéis de nata passaram a ser o produto básico no nosso menu do dia... no nosso menu de CADA dia – não podia suportar a multidão de calorias adicionais,mas também não podia deixar de comer . Portugal é, com certeza absoluta, um país onde não se pode emagrecer – pelos seus pratos deliciosos isto não é possivel! ). Mas vale a pena sublinhar que não só os pastéis de nata merecem admiração. Em Portugal, especialmente ao pequeno-almoço ou ao lanche, há um verdadeiro oceano de diferentes sabores. Mal entras numa pastelaria, estás perdido. Bolos, tortas, pastéis, lanches... queijadinhas, pudins, mousses de chocolate... Portugal é um paraíso terrestre para os gulosos. Depois da viagem através dos campos do Alentejo, que durou quase 3 horas (no Facebook encontramos um grupo de pessoas que oferecem boleias a bom preço ), chegámos a Lisboa. Por fim! 

Há muitas cidades bonitas, mas Lisboa é a mais linda de todas. Com os seus elétricos, becos estreitos, fado e pequenos restaurantes locais (nos quais, um turista pedir um café com cheirinho e galão depois de almoçar provoca um ataque nos empregados), é um lugar onde podia viver para sempre. Infelizmente, tivemos só dois dias para descobrir as maravilhas da capital. Tentamos visitar tudo o que era possível no tempo tão limitado. Começamos por visitar a Baixa; primeiro a Praça do Comércio ( mais conhecida por Terreiro do Paço) reconhecida por ser a praça principal de Lisboa, com a estátua de D. José I. É importante referir que no terramoto de 1755, onde hoje se encontram os edifícios que a cercam, existia o Palácio Real, em cuja biblioteca estavam guardados 70 mil volumes e centenas de obras de arte, mas infelizmente tudo foi destruído. Depois Alfama. A Sé de Lisboa(verdadeira mistura de estilos com a pia batismal onde foi batizado Santo António), o Castelo de São Jorge, a Igreja de São Vicente de Fora... tudo o que o estudante da filologia ibérica deve conhecer! O monumento que provocou a minha imensa admiração foi a Igreja de Santa Engrácia (que passou a ter a função de Panteão Nacional a partir de 1916, onde estão sepultadas algumas pessoas muito importantes, sobretudo presidentes da República e escritores. As exceções são Humberto Delgado e a fadista Amália Rodrigues). Na mesma freguesia (de São Vicente de Fora) está situado o paraíso para os amantes de velharias, de objetos em segunda-mão e artesanato – a Feira da Ladra. ‘’ Os Maias’’ do Eça de Queiroz por 50 cêntimos, ´´ Viagens na Minha Terra´´ de Almeida Garrett por 2 euros, Saramago por 1 euro.. a melhor livraria do mundo! Eu comprei quase 5 quilos de livros (e depois tive grandes problemas a fazer a mala ;). A nossa paragem seguinte foi uma freguesia com vários museus, parques e jardins, que possui um ambiente ribeirinho com cafés e um passeio público. Possui também uma torre, uma das Sete maravilhas de Portugal classificada como Património Mundial pela UNESCO... sim,sim falo de Belém. Passeando pela Praça do Império, pudemos admirar a beleza e a majestade do Mosteiro dos Jerónimos (um mosteiro manuelino que é o testemunho monumental da riqueza dos descobrimentos portugueses). Depois, com certeza, outro ponto imprescindível - escalamos ao topo do Padrão dos Descobrimentos (a verdade é que ‘escalamos’ usando o elevador, mas de qualquer forma a vista do Padrão foi baril! Uma coisa muito interessante é a rosa dos ventos feita na calçada que podemos ver bem só do topo do monumento.) Depois visitamos a paragem obrigatória para cada guloso que está em Lisboa- a fábrica dos pastéis de Belém onde, tradicionalmente, os pastéis se comem quentes, polvilhados de canela e açúcar em pó. Para mim, o sabor dos pastéis é melhor com um cafezinho que se pode tomar na fábrica onde na verdade, pode caber muita gente. 
   Estar em Lisboa e não visitar Sintra seria um pecado mortal, portanto dedicamos um dia para descobrir os segredos desta vila. Tudo é verde, misterioso e cheio da história. Passeamos durante todo o dia perdendo-nos de vez em quando. Para mim o monumento mais lindo é a Quinta da Regaleira (rodeada de luxuriantes jardins, lagos, grutas, construções enigmáticas e o labirinto onde me senti como Alice no País das Maravilhas!). Mesmo a entrada da Quinta está escondida no arvoredo! A aura de mistério é adensada pelo nevoeiro constante - benefício do micro-clima da serra de Sintra.
Bem perto da Quinta da Regaleira fica o Palácio de Seteais que também constitui uma parte do Centro Histórico do Sintra, que é classificado como Património Mundial. É um palácio muito elegante, cor-de-rosa de arquitetura neoclássica. Agora desempenha a função dum hotel de luxo e restaurante. Outro palácio, muito conhecido pelas suas altas chaminés cónicas, é o Palácio da Vila(o Palácio Nacional de Sintra). Apresenta características de arquitetura medieval, gótica, manuelina, renascentista e romântica. É considerado um exemplo de arquitetura orgânica, de conjunto de corpos aparentemente separados, mas que fazem parte de um todo articulado entre si, através de pátios, escadas, corredores e galerias. Por fim vimos o Palácio da Pena que foi eleito como uma das Sete Maravilhas de Portugal. Infelizmente, não entramos, só admiramos o exterior deste palácio fabuloso. Acho que para contar todos as nossas aventuras, deveria escrever um livro. Não escrevi sobre o Porto, porque tenho tantas informações que poderia escrever o artigo inteiro sobre esta cidade, comida e o resto que para mim foi significativo. E vou fazê-lo em breve.

Patrycja Choryłek 
3º ano de Filologia Ibérica


Sem comentários:

Enviar um comentário