sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Como era a minha vida antes da universidade

Quando era mais nova queria começar a estudar numa universidade para ter mais liberdade. Pensava sempre que por causa dos meus pais sentia a falta das festas e das saídas com os amigos. Claro, não era assim e dei-me conta de que tinha tudo o que precisava.
Na escola do terceiro ciclo, como é a idade mais estúpida, fui uma aluna rebelde. Acho que tudo começou quando eu e as minhas amigas tivemos uma nota negativa em física. Essa nota não foi justa, então começou a minha guerra com esse professor. Nunca me deu nenhuma nota positiva e quando tivemos um teste todos tiveram o grupo 1 ou 2 e somente eu tive o grupo 7, com questões das unidades que ainda não discutimos. Não me lembro como, mas no final este professor deu-me uma nota positiva. Ele não foi o único que me irritava, ainda me lembro de uma luta com sangue e foi a luta com... um padre! Graças a Deus ninguém soube desta luta, nem a diretora, nem os meus pais.
      Quando começaram as aulas no liceu, pensava que os melhores tempos na minha vida já passaram. Conhecia só três pessoas e tinha saudades dos amigos da escola do terceiro ciclo. Mas com o tempo conheci melhor a minha nova turma e assim criou-se o nosso grupo pequeno de onze pessoas. Juntos fugíamos das aulas, passávamos o tempo durante os intervalos e às vezes os fins de semana. Nesta altura os meus pais eram bastante estritos, não podia passar a noite fora de casa nem sair com muita frequência. Alem disso, quase cada sexta-feira (quase porque depois da reunião com pais tive sempre um castigo) saía com as minhas amigas, normalmente íamos à discoteca, mas às vezes encontrávamo-nos com outras pessoas. No início do liceu tive de voltar para casa antes das duas da manhã. Agora sei que é melhor sair quase todos os fins de semana e voltar antes das duas do que sair uma vez por mês e voltar às quatro ou cinco da manhã. Os meus pais nunca me perguntaram se tinha bebido algo, o que fazia na festa e nunca fizeram comentários estúpidos. Agora vejo que tenho os pais muito compreensivos, mas naquela altura pensava que eram tiranos e que não queriam que tivesse amigos. Acho que precisava de crescer para apreciar os seus esforços.
   Queria deixar a minha cidade para ter mais liberdade e agora arrependo-me! Claro, ninguém me diz que limpe a casa, que estude e que à noite não veja os filmes com luz apagada. Mas agora não tenho perto de mim os meus amigos de liceu e amigas da cidade. Estou em Lublin sozinha, só tenho novas amigas que conheci na universidade (que são muito boas!!!). Agora da escola do terceiro ciclo tenho contato com uma pessoa. Do liceu com duas, mas nas férias encontramo-nos sempre com todo o nosso grupo de onze pessoas e sempre é muito esquisito, porque não temos de que falar. Todos têm os seus problemas e a sua vida que é diferente da vida dos alunos de liceu. Agora vejo que a maioria das minhas amizades foi baseada em festas. E como dantes passei muito tempo nas festas, agora não sinto falta das discotecas pois tenho amigos com quem posso contar.
   Resumindo, a fase rebelde já passou, a fase das festas também. Agora é a melhor altura para estudar, só preciso de esforçar-me e isto é o maior problema das pessoas preguiçosas como eu.
Kinga Starczyk
2º ano de Estudos Portugueses


Sem comentários:

Enviar um comentário