terça-feira, 11 de março de 2014

“Mostra-o em português”

 ‘Il corpo é il primo e il piú naturale strumento dell’uomo’*
M.Mauss

“Mostra-o em português”
A comunicação entre as pessoas é realizada por vários canais. A língua (as palavras) é importante, inclui a informação, mas o sotaque, a mímica, e os gestos são os elementos que determinam o comunicado. A maneira de se sentar, de dirigir o nosso olhar ao interlocutor, a postura enquanto se fala. Há gestos que não se fazem na mesma maneira em todo o mundo. Isso não é tudo, existem gestos que podem substituir completamente a comunicação verbal, são os sinais muito relacionados com a cultura e a interpretação deles depende da sociedade em que se cresce. Por isso, o uso dos símbolos sem conhecer o seu verdadeiro significado pode causar varias situações embaraçosas. Sobre o que, então, deve ter cuidado um polaco visitando Portugal, e um português visitando a Polónia?

1.’Beijinhos!’ O hábito português de cumprimentar-se com dois beijinhos nas bochechas (especialmente entre as pessoas que não se conhecem) seria inaceitável entre os polacos. Nós tentamos proteger a nossa esfera íntima (entre 0 – 45cm ao redor do corpo) sempre que é possível, por isso, a nossa escolha para cumprimentar  é... apertar a mão.

2. ‘Ótimo’ ou ‘zero’. Na Polónia  o gesto relacionado com a cozinha, modo de louvar o cozinheiro, significa ‘o que comi foi tão bom, ótimo, perfeito!’; enquanto em Portugal, a forma do gesto já nos indica o significado. É ‘zero, null, nada’. Eu não desejo a qualquer cozinheiro português clientes polacos que por ignorância ou preguiça se abstenham de conhecer estes elementos da cultura.



3. ‘Beber’ ou ‘Matar’. Diferença bastante significativa. Na Polónia o gesto serve como um discreto convite para ‘tomar um copo’ (‘um’ é certamente simbólico, porque depois de ‘um’ vêm sempre mais). A origem deste gesto é muito interessante: um ourives do czar Pedro I exigiu, em vez do pagamento regular pelo trabalho dele, a permissão para beber sem limitações em todas as tabernas da Rússia. O czar aceitou o pedido e o ourives passou a ter uma tatuagem no pescoço, sempre que queria beber bastava que mostrasse o símbolo do czar. Isto explica o gesto, mas só na realidade da Europa de Leste. E em Portugal?  Significa ‘decapitação, morte’.

Então o que podem pensar sobre nós os portugueses? Que os nossos rapazes não fazem a barba e por isso evitam o contacto com as bochechas de outras pessoas? Que não apreciamos a excelente cozinha deles? Ou, talvez, que bebemos até morrer? Deixo a reflexão para vocês.

*"O corpo é o primeiro e o mais natural instrumento do homem"

Aleksandra Porębska
2º ano de Estudos Portugueses




2 comentários:

  1. Muito original e extremamente bem escrito.
    Vivi na PL um ano e nunca tinha reparado nos dois ultimos gestos. Já agora, dou a sugestão para mais um, trata-se de contar pelos dedos. Em portugal na escola ensinam-se as crianças a contar a partir do dedo mindinho, até ao polegar. A Polónia é ao contrário. Torna-se interessante quando alguém num bar pede três cervejas por exemplo. Na polónia apresentam-se os primeiros 3 dedos (polegar, indicador e médio), em portugal mais vulgarmente apresenta-se os outros 3 (mindinho, anelar, médio). Porém quando só se pede 1 cerveja é só o indicador. E duas será o indicador e o dedo do meio (como se fosse um V).

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigada pela sugestão! É verdade, nós contamos assim, enquanto em Espanha conta - se a partir do indicador até o mindinho (4) e acrescenta - se polegar para mostrar (5). Que confusão..

    ResponderEliminar