sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A Amazónia e o seu fado

  A Floresta Amazónica do Brasil é um milagre verdadeiro no nosso Planeta. É chamada frequentemente o pulmão do mundo. É indispensável para todas as criaturas vivas na Terra que o nosso pulmão produza oxigénio sem parar como o faz agora. Sem isso, nós, os humanos e todos os animais morreríamos imediatamente. Além de ser “incubadora” do mundo vivo, a Amazónia e as outras selvas, quer dizer, as florestas tropicais, como na África, Índia, Indochina, Malásia, Filipinas, Indonésia, Nova Guiné ou na Austrália, cria o ecossistema mais complexo e rico da vida de todo o Planeta. O número das espécies que vivem ali é desconhecido (e provavelmente ficará assim para sempre), mas supõe-se que as florestas húmidas sejam o habitat para em torno de 70% de todas as espécies da Terra. Também a biodiversidade da selva brasileira é significativamente mais alta do que a da África ou Ásia. Então, sem exagerar pode-se dizer que a Amazónia e a sua existência são a condição essencial (ou pelo menos muito importante) para a vida no Planeta. Se fôssemos entusiastas da matemática, poderíamos escrever uma equação: a Amazónia = a vida. Tendo dito isto, podemos olhar à situação atual da Floresta Amazónica. O que é que esta a passar com a nossa vida (não esqueçamos a equação)? A palavra “desflorestação” é bem conhecida. Outra é “desmatamento”, que significa a conversão de áreas florestais para áreas não florestadas. Todos os dias a destruição de territórios enormes está a avançar até que não fique totalmente nada. É bem provável que no ano 2075 reste só 5% da floresta atual. Mesmo sendo enorme agora...! Mas não nos preocupemos, naquele dia já estaremos todos mortos... Por que estaremos mortos? Há várias razões e todas parecem ser tão lógicas como espantosas. A primeira é que a floresta Amazónica, como já disse, produz oxigénio. Bom, é mais correto dizer que as plantas (as árvores) da Amazónia absorvem o dióxido de carbono que precisam para a fotossíntese e ejetam o oxigénio que lhes sobra. Chamemo-lo como o chamarmos, sem oxigénio da selva amazónica não sobreviveremos. Além disso, sofreremos as mudanças do clima, como por exemplo, o aquecimento global. E como sempre um problema é a causa do outro, o aquecimento leva ao efeito de estufa. Para além disso, a destruição da camada de ozono será completa (com todo este dióxido de carbono na atmosfera) e a radiação solar não terá nenhum obstáculo no seu caminho para a Terra. Então, quem quer um cancro...? 
  A pergunta importante é por que motivo certas pessoas querem contribuir para matar toda a humanidade? A resposta é muito simples: o dinheiro. No norte do Brasil a pobreza é significante. Cortar as árvores valiosas e vendê-los aos ricos dos Estados Unidos ou Europa é incrivelmente lucrativo. Também existe a necessidade dos combustíveis e terrenos novos para pastagens e cultivo (que duram só dois ou três anos e depois não servem para nada, então é preciso encontrar outro terreno queimando mais árvores...). Os pobres não têm muitas opções de trabalho para manter as suas famílias e se as têm, preferem escolher a opção mais fácil e rápida, o que não é difícil de compreender. Só que assim o milagre, o pulmão e a fonte da vida do nosso Planeta serão destruídos irreversivelmente. Boa sorte, humanidade, para sobreviver sem oxigénio!
Elżbieta Grygorczuk

Sem comentários:

Enviar um comentário