terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Guimarães – Capital Europeia da Cultura (CEC) 2012

  Guimarães foi eleita, junto com Maribor na Eslovénia, cidade europeia da cultura neste ano. Todos sabem o que significa este título, mas para lembrar a Capital Europeia da Cultura é uma cidade dum país participante escolhida pela União Europeia que durante um ano tem a oportunidade de mostrar não só a sua vida cultural, mas também de toda a região e do país. Graças aos fundos europeus a cidade pode enriquecer a sua oferta cultural, organiza os concertos, festivais, conferências para atrair os turistas e promover-se. O projeto Guimarães 2012 é construído com três objetivos: Desenvolver o Capital Humano – incitar a sociedade local a participar na organização dos acontecimentos, Criar uma Economia Criativa – transformar a economia atual numa mais moderna e Gerar uma nova Geografia dos Sentidos – transformar o espaço num mais ativo que todo o tempo oferece experiências culturais e criativas. Ademais, graças ao dinheiro recebido, a CEC 2012 tem a possibilidade de requalificar vários espaços da cidade para que sejam mais atrativos como: a renovação do Largo do Toural (já inaugurado no dia 13 de dezembro de 2011) ou o investimento mais caro: o Centro de Arte, no antigo mercado municipal, que vai ser aberto ao público em junho de 2012. Guimarães é a terceira cidade de Portugal que obteve este título, antes gozavam dele Lisboa e Porto. É um elemento importante da identidade nacional dos portugueses: a cidade natal do Afonso Henriques – o primeiro rei e a primeira capital, onde se situa o Centro Histórico apreciado pelo UNESCO e inscrito na lista do Património Mundial. O começo oficial deste ano da cultura já teve lugar, no dia 21 de janeiro e foi inaugurado com a representação “Os nossos Afetos”. O programa prevê mais de 600 eventos culturais que estão relacionados com a música, fotografia, cinema, literatura, dança, arte da rua. É dividido em quatro períodos segundo os quais os artistas regionais e europeus, todos juntos, vão criar as novas obras que depois será possível ver nas galerias e nas ruas. São: "Tempo para Encontrar" (janeiro – março) - concentração no diálogo e intercâmbio de pensamentos, "Tempo para Criar" (março – junho) – procura das diferentes maneiras da expressão, "Tempo para Sentir" (junho – setembro) – celebrações e festas e por último "Tempo para Renascer" (setembro – dezembro) – criação da nova cidade, novos lugares. Guimarães 2012 vai privilegiar especialmente a produção original da cidade e a formação dos novos talentos, então no programa não abundam nomes conhecidos, de grandes estrelas internacionais. Como lembram os organizadores: "a cultura não se faz apenas de profissionais nem das classes artísticas, faz-se também da cultura popular". Durante todo o ano os jovens músicos europeus vão viver em Guimarães e criar a música de diferentes géneros, desde rock até eletro para que cada um possa ouvir do que gosta. No programa, o teatro também tem o papel importante e vai dinamizar a vida nas ruas e praças. Ademais, ao longo do ano, vão ainda cruzar-se os artistas de diferentes campos como: fotografia, artes plásticas, arquitetura, dança. Este programa multidisciplinar vai a incluir manifestações culturais não só nacionais mas também internacionais. Os organizadores prevêem que mais ou menos 1,5 milhões de turistas visitarão a cidade, isto é duas vezes mais do que até agora e como disse Carlos Martins, o diretor artístico da Fundação Cidade de Guimarães (FCG): “Guimarães vai honrar a Europa, o país, os públicos, os artistas, a cidade e os vimaranenses".
  Katarzyna Karolak

Sem comentários:

Enviar um comentário